NOTÍCIAS

06/05/2019

CADE VÊ PROBLEMAS NO FIM DA COBRANÇA DE BAGAGENS

Guia - Hotéis - Convenções

O Departamento de Estudos Econômicos do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (DEE/Cade) divulgou, recentemente, uma nota técnica na qual aponta preocupações concorrenciais relacionadas ao Projeto de Lei de Conversão apresentado à Medida Provisória (MP) 863/2018, que libera 100% de capital estrangeiro em aéreas nacionais e que também retoma a franquia mínima de bagagens. No documento divulgado, o DEE avalia que o transporte aéreo brasileiro apresenta características suficientes para levantar preocupações concorrenciais. O setor possui particularidades que levam à limitação da competição, como barreiras legais à entrada, barreiras de infraestrutura em aeroportos e altos níveis de investimento para a operação, o que, conjuntamente, torna o mercado bastante concentrado.

 

ANAC é contra a volta da franquia

 

A volta da franquia de bagagem, ainda segundo a avaliação dos economistas do Cade, também afetará negativamente os investimentos no mercado de transporte aéreo. Para o DEE, a medida impacta diretamente o modelo de negócios das empresas aéreas low cost, que têm manifestado interesse de entrar no mercado brasileiro. "A entrada desse tipo de empresa no mercado brasileiro acirraria a concorrência com possíveis impactos favoráveis ao consumidor sobre o preço do transporte aéreo, incluindo passagens e despacho de bagagens", concluiu.